quarta-feira, dezembro 08, 2004

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Na janela mais alta de Lisboa,
és a ave chamada Todavia:
a que posta no chão não se desvia
mas que perto do rio já não voa...

Hei-de ensinar-te, devagar, (perdoa!),
a pressa com que Amor se pronuncia
e a conjugares a noite com o dia
quando o corpo do corpo se condoa...

fecha os olhos, e voa! Mas não queiras
ao inferno do céu traçar fronteiras
nem ao céu do inferno pôr limites:

voar só vale a pena enquanto for
uma forma de amar além do amor,
furor que todavia não habites...

David Mourão-Ferreira

2 comentários:

blimunda disse...

cotovia. também.

Gui disse...

Apaixonante!

bjs :)