quarta-feira, abril 02, 2008

Dia das Mentiras

Na minha humilde opinião o Dia das Mentiras é uma TRETA!!!
É simplesmente o dia mais absurdo do calendário universal!!
E não estou a mentir é a mais pura das verdades!
Desde sempre me deu ganas de espancar violentamente os aficionados da “mentirinha”!!

Sinceramente não consigo perceber a utilidade deste dia!
Se hoje em todas as noticias se diz que estudos rigorosos e extremamente fiáveis provam que o homem mente não sei quantas vezes por dia e a mulher outras tantas, digam-me qual o significado deste dia?!?! Vender mais jornais?! Mentir à descarada?! Utilizar este dia como desculpa se formos apanhados a mentir?!?!
Calhando sou eu que não atinjo, mas não tenho capacidade para interiorizar este dia!!

Mesmo assim todos os anos neste dia, tento imaginar a “brincadeirinha”…
Por exemplo, se um homem acorda e sente uma vontade incontrolável de abraçar a mulher e dizer de coração aberto que a ama, ela vai responder: “Deixa-te de tretas!! Larga-me que não tenho paciência para brincadeiras!!”. Ora se ele estava a ser sincero e nem se lembrou que era dia das mentiras ficou extremamente frustrado!!
Se um médico, talvez por passar muito tempo sozinho, resolve pregar uma partida a um doente e diz: “Você tem 2 meses de vida!”, o doente, que naquele momento de choque não consegue perceber a brincadeira, sai e vai-se embora. Depois de fazer mentalmente a lista do que quer fazer antes de morrer, chega a casa diz adeus à mulher e promove uma orgia com 5 nórdicas e 5 africanas. Durante a maluquice dá-lhe uma coisa e morre. No dia seguinte o médico por questões de segurança pede à secretária que ligue para o doente para explicar que era brincadeira: “Bom dia. Fala do consultório do Doutor Brincalhão. O Sr. Doente está?”, ao que a voz do outro lado responde: “o meu marido morreu está noite…”

Será que nunca leram, ou ouviram, a história do Pedro e do Lobo?!?!?!

O que mais me impressiona é que este dia tem mais visibilidade do que por exemplo o Dia da Água, ou da Árvore, ou do Animal!!
Na volta quase ninguém sabe quando se comemoram, ou sequer que existem!! Mas não, o Dia das Mentiras, no dia 1 de Abril é que é!! Vamos todos parar e passar o dia a tentar descobrir as mentiras que foram publicadas nos jornais e transmitidas nos canais da televisão! Vamos lá… bute… é giro! Sei que é difícil, no meio de tanta coisa que parece mentira, mas façam um esforço!! Vá lá!! Amanhã acordam pessoas melhores, mais bem informadas, bem sucedidas e se a mentira que descobriram for mesmo daquelas muito mentirosas pode ser que tenham direito a foto na Caras, ou na Lux!! Estou mesmo a ver o slogan: “ Não perca esta semana na Lux, o famoso que desmascarou o maior embuste deste ano…”. O país vai ficar em suspenso à espera, a corrida desenfreada às bancas pode parecer mentira, mas não é porque o dia das mentiras passou entretanto!!

Enfim, este dia é uma perfeita estupidez!!
Que me desculpem os mentirosos!

sexta-feira, dezembro 21, 2007

IPO desmente pedidos de doação de pijamas

Os responsáveis do Instituto Português
de Oncologia desmentem a ligação da
instituição à campanha Movimento Pijaminha,
de entrega de pijamas.

O IPO garante que não precisa de roupa
para as crianças internadas.


Jornal Destak 20 de Dezembro de 2007

domingo, dezembro 16, 2007

AEPGA - Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino

CAMPANHA DE NATAL 2007

Porque não pensar num presente original?

OFEREÇA O APADRINHAMENTO DE UM BURRINHO DAS TERRAS DE MIRANDA !



Uma das formas de apoio da AEPGA é o Programa de Adopções. Este programa visa a obtenção de fundos necessários ao funcionamento dos vários centros da Associação: Centro de Recria de Atenor e os Centros de Acolhimento de Duas Igrejas e Pena Branca. Para além de ajudar na manutenção destes centros e dos animais, estes fundos são também muito úteis na prestação dos cuidados veterinários aos asininos bem como nas actividades de sensibilização e promoção da raça.




Ao apadrinhar um burrinho das Terras de Miranda receberá um certificado de apadrinhamento, uma fotografia e um boletim sobre o desenvolvimento do seu burrinho. O seu contacto será inserido na lista de divulgação da AEPGA para que possa obter informações sobre as próximas actividades em que poderá participar, tornando-se, desta forma, um membro activo na preservação desta raça autóctone de forma a salvar um património genético, ecológico e cultural único no nosso país .


A AEPGA DISPÕE ON-LINE DE UMA LOJINHA ONDE PODERÁ ENCONTRAR DIVERSOS PRESENTES.

Desde burrinhos de peluche a T-shirts coloridas, de filmes/documentários a porta-chaves em forma de burrinho há muito por onde escolher e ao mesmo tempo ajuda a divulgar a Associação e a causa em defesa deste afectuoso e simpático animal.

Lojinha da AEPGA:







A AEPGA DESEJA-LHE UM BOM NATAL E UM FELIZ ANO NOVO!



Dois dos burrinhos para apadrinhamento:
foto da esquerda "AMORA"; foto da direita "CALIMERO"

sábado, dezembro 08, 2007

Clã - Aula Magna



O Universo parou… à volta da Cintura!!

Foi a vez dos CLÂ darem um espectáculo, na Aula Magna, de apresentação do novo trabalho “Cintura”.

Vou contra a minha “religião” e que me perdoem os “deuses do Progressivo”, até porque, e utilizando uma expressão muito em voga que até se torna brejeira, “sou muito eclético”, mas……… CARAMBA!! Fiquei extasiado; estarrecido; esmagado; impressionado; arrepiado; embasbacado; eriçado; absolutamente, completamente e sinceramente deslumbrado e fascinado!!

Para começar o palco apresentava-se arquitectado duma forma simples mas com um design excelente, arrumado e organizado.
Começou com cerca de 20 minutos de atraso, mas por culpa do bom do tuga que nunca chega a horas! Volta e meia via-se uma cabecita a espreitar atrás do palco para ver se a sala já estava mais composta e a coisa lá começou…
Em três palavras: a Aula Magna ia caindo quando entraram em palco!! Pronto não são três mas assim percebem a dimensão do que quero dizer!

Foram duas horas e qualquer coisa do mais absoluto “POWER”!!
Os Clã são, na gíria, uns “animais de palco”!
Com especial destaque para a Manuela Azevedo que é simplesmente uma
Mulher Extraordinária!!

Que me desculpe aquela moçoila do “Feijão com Arroz” a quem chamam furacão, mas o verdadeiro furacão, ciclone, terramoto, e todos os cataclismos, passaram ontem pela Aula Magna! Mas de catástrofe não teve nada! Nada mesmo a declarar!!
Dançou; pulou; cantou; durante duas horas sem parar! Nem para beber água! Sempre com um ritmo alucinante! Cheia de adereços encarnou cada música como se fossem actos de uma elaborada peça de teatro!

Tocaram temas novos e antigos, com novos arranjos, desde o acústico ao disco, passando pela bela da guitarrada mais agressiva! Até um tema inédito deu para tocar!
O publicou vibrou de tal maneira que só em encores foi à vontade meia-hora!

Depois de ontem a minha opinião sobre a Aula Magna mudou um pouco. O som continua a não ser grande coisa, mas se o equipamento e equipa técnica forem bons a coisa resulta muito bem!!
Por este motivo vou pedir aos Clã o contacto da empresa que trata do equipamento e som e vou enviar para o Fish!!

Colaboração de RC

FISH na Aula Magna!



Dia 5/12/2007, foi mais uma noite de música!

Tal como no ano passado, pela tournée de comemoração do vigésimo aniversário do disco Misplaced Childhood, Fish brindou-nos com a tournée de comemoração do aniversário do álbum Clutching at Straws, ambos discos criados enquanto vocalista dos Marillion. Aproveitando o evento para a promoção do novíssimo disco “13th Star”, o qual só estará disponível para o ano, mas que foi vendido aos fãs em edição especial.

Este ano também a primeira parte ficou à responsabilidade da banda portuguesa de Rock Progressivo, Forgotten Suns. Mais uma vez provaram estar ao nível do melhor que se faz neste estilo de música! Com músicos de uma qualidade impressionante, apresentam composições elaboradas e de excelente sonoridade. Apesar das visíveis influências dos grupos que marcaram o início desta escola de música têm uma identidade própria e bem definida, aproximando-se de grupos conceituados, como por exemplo, Dream Theater.

Chegada à altura da entrada de Fish a sala ficou mais composta e o público vibrou ao avistar o gigante escocês!

Com uma mescla de músicas do novo disco e trabalhos antigos a solo, tocaram quase na totalidade o disco Clutching at Straws. Com o seu jeito peculiar, Fish deu um espectáculo cheio de teatralidade, personalizando, dando uma dimensão e significado às músicas que ninguém ficou indiferente ao seu conteúdo.

No entanto…

Este ano a coisa não correu muito bem!

Talvez tenha sido a influência do título do novo disco “13th Star”……..

Relativamente a aspectos negativos a constante foi a Sala! A Aula Magna tem uma sonoridade horrível! Pelo menos para quem fica nos lugares da frente. Além disso, contra mim falo, o facto das primeiras filas serem cadeirões e o pessoal ficar esparramado e não de pé, é muito mau para quem está a dar o espectáculo, já que falta aquela química.

A coisa começou logo por correr mal com os Forgotten Suns! Quando já o pessoal estava a vibrar com os primeiros momentos instrumentais começa o vocalista e …
algo não estava bem!! O tipo estava com uma carraspana tal que lhe afectava bastante a voz!! Bastante desiludido e frustrado fez um esforço sobre-humano até ao seu limite, não poupando nas desculpas. Apesar de ter abandonado o palco antes de terminar os restantes elementos da banda deram um espectáculo instrumental inesquecível!!!

Lá acabou e começaram a arrumar o palco para a entrada do Fish.

Mas….. a demora dos técnicos no palco já estava a ser longa!

Aparentemente existia um problema técnico!!! Não queríamos acreditar!!!

Passada uma boa meia-hora lá entrou Fish!!

No entanto a coisa não ficou por aqui!

Apesar dos esforços do Fish para dar indicações ao tipo da mesa de som, durante o espectáculo nunca conseguiram acertar com um registo correcto!!

Mas valeu a pena!!

Como o Fish há muito poucos e os Forgotten Suns têm uma projecção internacional impressionante!!

Colaboração de RC

quarta-feira, novembro 28, 2007

ISTO ATÉ FAZ DOER A ALMA…




A Laurinha foi abandonada na passada 3ª feira
à noite à porta de uma associação sobrelotada.
Passou essa noite toda à chuva, dentro de uma
caixa de papel aberta, com os seus 3 filhotes.
Quando foi vista estava a tremer, gelada.

Neste momento está com as crias numa jaula minúscula
e num local nada seguro. Alguém pode ser “amigo" desta
família de miniaturas até lhes conseguirmos encontrar um lar?
Não podemos dar mais pormenores sobre a localização
deles mas trata-se de uma situação muito urgente.

Contactos: ana.mota@animaisderua.org; 93 977 02 41

Maria Pinto Teixeira
www.dharmabindu.com
www.animaisderua.org

terça-feira, novembro 27, 2007

MONSARAZ

PETIÇÃO
NÃO DEIXE DE CONTRIBUIR PARA A
CONSERVAÇÃO PATRIMONIAL

QUE É DE TODOS NÓS


Na sequencia do processo das obras de destruição
das "Ladeiras de Monsaraz" e de "Criação de Parque
de Estacionamento em Monsaraz em Zona Interdita à Construção"
junto se envia link com informações de todo o processo e
link para petição on-line. Agradecemos ainda que colabore
na divulgação e a distribuição deste e-mail e desta petição
pela sua rede de contactos.

assine aqui

Para mais informações consultar
ADIM - Associação de Defesa dos Interesses de Monsaraz
Travessa da Misericórdia 7200-175 Monsaraz
Telef. 266 557 425 Telem. 963 960 602
adim.monsaraz@gmail.com
www.adim-monsaraz.pt
http://adim-monsaraz.blogspot.com/

sexta-feira, novembro 23, 2007

PETIÇÃO - CANCRO COLO DO ÚTERO

Passem palavra!
Obrigada


Sabia que todos os anos na Europa, cerca de 50.000 mulheres
são diagnosticadas com cancro do cólo do útero e que 25.000
morrem por esta doença que pode ser quase totalmente prevenida?
Programas eficazes e organizados de prevenção contra o
cancro do cólo do útero podem prevenir
quase todos os casos de cancro do cólo do útero.
Por esta razão precisamos da sua assinatura de forma a
assegurar que todos os países da Europa
disponibilizem estes programas!

Tudo o que tem a fazer é completar a petição em:
www.cervicalcancerpetition.eu
(Só precisa de 2 minutos)

quinta-feira, novembro 22, 2007

Jorge Palma - Coliseu dos Recreios



Jorge Palma... Os Demitidos
e alguns convidados especiais como Edgar Caramelo, Gabriel Gomes,
Pedro Sotiri, Pedro Vidal e Marcos Nunes

A Gente Vai Continuar

Tira a mão do queixo, não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou, ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas para dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem à batota
Chega aonde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Todos nós pagamos por tudo o que usamos
O sistema é antigo e não poupa ninguém, não
Somos todos escravos do que precisamos
Reduz as necessidades se queres passar bem
Que a dependência é uma besta
Que dá cabo do desejo
E a liberdade é uma maluca
Que sabe quanto vale um beijo

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

sexta-feira, novembro 16, 2007

DIVULGAÇÃO

A Culpa não é sua!
Junte-se ao Protesto!
Passe a palavra!




aqui

quarta-feira, novembro 14, 2007

O Nome da Rosa

versão teatral de Carlos Carvalheiro a partir de

UMBERTO ECO
adaptada ao Convento de Cristo de Tomar



A Umberto Eco fascinava-o "a imagem de um monge
envenenado enquanto lia um livro na biblioteca".
E assim, nasce, em 1980, o seu primeiro romance.









Ao Fatias de Cá fascinava-o a
ideia do Convento de Cristo em Tomar como se
fosse a abadia de O Nome da Rosa.





http://www.fatiasdeca.com

segunda-feira, novembro 12, 2007

Junta as tuas meias às minhas... e torna os dias e as noites mais quentes!

Campanha de Angariação de Meias para os
Sem Abrigo de Lisboa
Comunidade Vida e Paz
Objectivo - angariar 5000 pares
de meias até à noite de Natal!


As Meias deverão ser entregues ou enviadas para:
Campanha – Aquecer Lisboa com Meias!
Rua Domingos Bomtempo, nº 7
1700 – 142 Lisboa

sexta-feira, novembro 09, 2007

o que se ouve... por aqui


Música para ser humano
novo disco dos Donna Maria.


Roubado aqui



O primeiro cd:
tudo é para sempre...

quinta-feira, novembro 08, 2007

8 de NOVEMBRO


DIA EUROPEU
DA ALIMENTAÇÃO E DA
COZINHA SAUDÁVEL

domingo, novembro 04, 2007


Sê como as ondas do mar que,
apesar de se quebrarem nos rochedos,
encontram sempre força para recomeçar

BAUM

quarta-feira, outubro 31, 2007

ASSOCIAÇÃO RARÍSSIMAS

Mercedes SLR e a Casa dos Marcos (Associação Raríssimas)

Um Mercedes SLR tem portas em “asa de gaivota” e atinge 200 km/h em 10,6 segundos, mas andar a tal velocidade não é possível na maior parte dos países. Se calhar os seus possuidores alugam autódromos e andam ali às voltas. Quantos existem em Portugal? Muito poucos e o último a chegar foi notícia no Público de 31 de Março. E dizem que é a nova menina dos olhos do seu comprador.

Sabem quanto custa?

O mesmo que a Associação Raríssimas precisa para construir uma casa – a Casa dos Marcos - para que, pelo menos 50 crianças, possam ser acolhidas e tratadas quando os seus pais fecharem os olhos (Revista XIS de 1 de Abril).

São informações destas que fazem com que os olhos se encham de lágrimas:
de um lado alguém que gasta 600 mil Euros num “brinquedo” –
do outro lado mãos estendidas a pedir um sítio para estarem.

É TRISTE SABERMOS QUE NÃO SÃO CASOS ÚNICOS!

colaboração de Clotilde Moreira, Algés

quinta-feira, outubro 25, 2007



por ser preciso

jorge reis-sá

(todos os lucros resultantes da venda
deste livro revertem para a
LIGA PORTUGUESA CONTRA O CANCRO)

terça-feira, outubro 23, 2007

"Tiqqun" a Libertação do Pecado

30 Telas de maria sobral mendonça
e um filme de lauro antónio
Obra realizada no Alentejo durante o anos de 2006 e 2007...
no dia 11 de Outubro às 18 Horas
Edifício dos Paços do Concelho em Lisboa


De domingo a sexta das 9h00 às 17h00
encerra: sábados e feriados
exposição patente até 30 de novembro.
Eça Agora - Os Herdeiros dos Maias


Tudo começa no Alegrete, palacete meio arruinado em que vive Afonso da Maia, avô de Carlos da Maia, jovem médico que se apaixona por Maria Hermengarda, fugindo dos ataques sensuais da Condessa de Varinho e deixando de lado a espampanante Lara Marlene, filha do riquíssimo Silvestre do Ó Saraiva, construtor civil que fez a sua larga fortuna através de métodos muito pouco recomendáveis.

À volta de Carlos movimentam-se Damásio Malcede, o lisboeta novo-rico, João da Régua, o eterno futuro-ministro, o Palma Cavalito, director da Trombeta do Demónio, e muitas outras personagens herdeiras dos famosos "Maias" que se movimentam freneticamente numa crónica de costumes ao gosto deste tempo prodigioso do replay e do fast food.

No meio deste enredo surge mesmo o espírito de Eça de Queiroz a pôr alguma contenção a personagens e autores.
Num registo entre o queirosiano e a telenovela, quiseram os autores, cada um a seu modo, aplicar-se num enredo paralelo ao de Os Maias, observando a sociedade portuguesa do início do século XXI pelo monóculo risonho e severo do grande Eça. Resumiu um deles: "Certamente, o Eça escreveria melhor mas não diria pior." Rosa Lobato Faria

Autores: Mário Zambujal, Luísa Beltrão, José Jorge Letria, Alice Vieira,
João Aguiar, José Fanha e Rosa Lobato Faria

dos mesmos autores: Os Novos Mistérios de Sintra e O Código d`Avintes

quarta-feira, outubro 17, 2007

Respiro o Teu Corpo

Respiro o teu corpo:
sabe a lua-de-água ao amanhecer,
sabe a cal molhada,
sabe a lua mordida,
sabe a brisa nua,
ao sangue dos rios,
sabe a rosa louca,
ao cair da noite,
sabe a pedra amarga,
sabe à minha boca.

Eugénio de Andrade

terça-feira, outubro 09, 2007

O MESMO OLHAR

É impossível evitar a comoção ao ouvir - e ver, finalmente - toda a magia de " O MESMO OLHAR", a canção que Susana Félix criou para ajudar a Raríssimas - Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras.

O CD-single está à venda no El Corte Ingles e as suas receitas alavancam a nova campanha nacional de angariação de fundos da Raríssimas, com vista à construção, já iniciada na Moita, da "Casa dos Marcos" - um centro de acolhimento único em todo o mundo, para cidadãos portadores de doenças raras.

O TREVINHO já está na rua e a Raríssimas precisa da ajuda de todos para que a “Casa dos Marcos” seja uma realidade. Por cada TREVINHO que compra estará a contribuir com 4€ para construção de uma residência para jovens com deficiências mentais e Raras. Pode encomendá-lo directamente aqui, ou fazê-lo pelo telefone 96 965 74 44.


Também já à venda em todo o país, em apoio à associação, encontra-se o livro "Histórias Raríssimas". Uma colecção de contos inéditos com a participação de Júlio Isidro (apresentador TV) , Clara de Sousa (jornalista SIC), Fernanda Freitas (jornalista RTP) , Carlos Pinto Coelho (jornalista e escritor) , José Luís Peixoto (escritor), Rosa Lobato Faria (escritora), Eduardo de Sá (psicólogo), Maria do Rosário Carneiro (deputada), João Gomes Esteves (vice-presidente da CIP e da AIP) , Mafalda Arnauth (fadista), Celina Pereira (cantora) , Rodrigo Moita de Deus (escritor), Jacinto Lucas Pires (escritor) e Maria Inês de Almeida (escritora), com prefácio de Maria Cavaco Silva.

Entretanto, a Raríssimas pede ainda uma ajuda mais específica para a construção da sua obra. Aqui fica a transcrição do apelo:

Junte-se a nós num projecto RARÍSSIMO para pessoas RARÍSSIMAS. Seja também um Trevo de 4 folhas, em que a folha diferente, a mais, é RARA.

Assim, necessitamos de conseguir arranjar:
- Material de construção (tijolos, cimento, cofragens, etc. - em suma, tudo o que
é necessário a uma edificação)
- Mão de obra
- Voluntariado para gestão do transporte, armazenamento e inventariação dos
donativos.

Se possui forma de ajudar ou conhece alguém que possua, apresente a Raríssimas, a Casa dos Marcos e a vantagem de os donativos poderem ser deduzidos em sede de IRS/IRC.

A todos o nosso ObrigadÍSSIMA
A Direcção da Raríssimas
Raríssimas - Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras

Rua Cidade de Rabat, 34, 3º Dtº Alto dos Moinhos
1500-163 LISBOA
Tel: 217956205/969657445
web: www.rarissimas.pt
e-mail: info@rarissimas.pt
blog: http://rarissimas.blogs.sapo.pt

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

DESAPARECERAM



Na passada segunda-feira de carnaval, (19 de Fevereiro) entre as 17h30/18 e as 19hH00 os três cães de uma amiga nossa/vossa, fugiram do jardim da casa onde vivem no Montijo.

É um cocker macho, dourado, uma cadela pastor alemão, e uma cadela pastor belga.

Peço a todos - encarecidamente - que divulguem pelos v/contactos a notícia. O canil municipal e a Câmara do Montijo estão avisados. Têm sido feitas buscas intensas na localidade mas ainda sem sucesso. As cadelas estão identificadas com microchip subcutâneo, embora nas coleiras não conste o contacto telefónico.

Qualquer informação que tenham por favor comuniquem aqui no blogue ou nos blogues da Teresa Durães.


Grata.
Sinceramente
Isabel Magalhães

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

o poder da arte

HUNDERTWASSER
Tree Tenants Do Not Sleep
Tree Tenants Wide Awake
técnica mista, 38 x 38 cms, Tunes, 1973

As árvores que crescem dentro e sobre as casas pagam regularmente a sua renda fornecendo valores reais como o óxigénio, o belo e o silêncio, absorvendo a poeira e regularizando o clima.

terça-feira, janeiro 17, 2006

sábado, agosto 27, 2005

AS CORES DA TERRA


ISABEL MAGALHÃES, As Cores da Terra, 1998


SOBRE A TERRA

Sei que estou vivo e cresço sobre a terra.
Não porque tenha mais poder,
nem mais saber, nem mais haver.
Como lábio que suplica outro lábio,
como pequena e branca chama
de silêncio,
como sopro obscuro do primeiro crepúsculo,
sei que estou vivo, vivo
sobre o teu peito, sobre os teus flancos,
e cresço para ti.

EUGÉNIO DE ANDRADE

quinta-feira, agosto 11, 2005

BIOGRAFIA

Tive amigos que morriam, amigos que partiam
Outros quebravam o seu rosto contra o tempo.
Odiei o que era fácil
Procurei-me na luz, no mar, no vento.

Sophia de Mello Breyner Andresen

sexta-feira, agosto 05, 2005

CARAMBA

É com grande tristeza que amanheço num dia de “neblina”!

Pergunto-me frequentemente: como somos capazes?!
Que dantesco cancro somos que avança sem piedade?!

Sinto-me triste e revoltado quando ontem no regresso a casa vejo um mentecapto qualquer atirar uma lata de refrigerante borda fora…
Será que não vê as notícias?!?! Ou terá de ser a sua casa a arder para dar choroso uma entrevista à TVI?!

Bem sei: existem coisas piores! Como por exemplo: homicídio; genocídio; e outros ídios!
Mas hoje revolto-me quando vejo e sinto um mundo a contrair-se de dores; quando ecoam na minha mente os gritos de uma terra em incontrolável agonia…!!!

Passamos uma vida de cabeça baixa a fixar o umbigo! Quando a levantamos vemos algo desaparecer diante dos nossos olhos e que dificilmente vamos recuperar!
Com um simples raciocínio, que deriva num forte arrepio na espinha, apercebemo-nos da espiral que é este problema e que sempre volta ao início…
Não nos podemos esquecer de vários temas: Poluição; Camada de Ozono; Espécies em Extinção; Doenças; Qualidade de vida; entre outros.

A par da “dor” da queimadura temos: altos níveis de poluição; mais e maiores buracos na camada de ozono; doenças causadas pelo desaparecimento da camada protectora da atmosfera; novos vírus que se “libertam” com o desaparecimento do seu habitat natural onde eram inócuos; espécies animais que se perdem devoradas pelas chamas, desde o mais pequeno insecto, a grandes mamíferos, inclusive abatidos pelas populações quando vêem os seus bens serem consumidos por animais que procuram alimentos porque ficaram sem habitat e consequentemente com o ciclo alimentar quebrado; que raio de vida passaremos a ter quando o cenário deixa de ter a paleta de tons da natureza para passar a cinzas, ou pior ainda betão; o ar que respiramos de puro já nem tem o nome; o sol que nos aquece até à “morte”; a água que nos banha com espuma de poluição e organismos prejudiciais… esqueçam! …os fogos vão sendo circunscritos!!...

Caramba! Que futuro daremos a gerações vindouras?! Que paisagens e locais sobreviventes a séculos de história visitaremos num dia de passeio?!
Tudo isto está a ser arrancado do nosso corpo!!

Permanecemos impávidos e seremos, impressionados com os acontecimentos, confortavelmente sentados no sofá, de comando na mão pronto a mudar de canal quando se acaba a coragem e queremos “fugir” à realidade…
Mas uma pergunta se mantém: que raio podemos fazer? É a pura e crua verdade! Vamos a correr para o meio do fogo?! Claro que não! Levantamo-nos e vamos salvar os fracos e oprimidos?! Impossível! Vestimos o uniforme de super-herói, guardado no baú desde os sonhos de criança, e vamos salvar o mundo?! Sonhos!!!
Infelizmente poucas iniciativas há, de quem as pode promover, com o objectivo de levar as pessoas a fazer algo. No entanto podemos sempre fazer tudo o que está ao nosso alcance por causas em que acreditamos. Por pouco que seja temos de estar atentos saber o que se pode fazer e agir.

É exactamente aqui que todos os problemas vão dar! Aquilo que deixamos de fazer porque achamos que não vale a pena e faz tanta diferença!

Seja o que for e para o que for, façam qualquer coisa!
Mas atenção que aldrabões não faltam por aí!!!

Façam algo, especialmente por vós! Esqueçam por um momento o conforto do lar e outras mordomias e vão em busca dos belos locais que ainda vão sobrevivendo, muitos perto de casa, enquanto é tempo. Fujam ao comodismo e sedentarismo que consomem a vida tornando-a vazia! Estejam atentos a iniciativas e arrisquem, vale sempre a pena!
Não é necessário ir para milhares de km de distância, gastar uma pipa de massa, para se passar momentos agradáveis.
Só damos valor ao que temos quando o perdemos!

segunda-feira, abril 04, 2005

CineGuês

Quem tem por hábito frequentar as salas de cinema sabe que actualmente pode enfrentar duas realidades:
- Uma panóplia de filmes do mais variado calibre
- Filmes que passam em Cinemas considerados de culto
Durante muito tempo esta separação esteve muito vincada, sendo remetidos para a realidade "pseudo-intelectual" os filmes de produção nacional.
Há que desmistificar e felizmente tem-se caminhado nesse sentido, tendo-se vindo a fazer um franco investimento em produções nacionais de grande qualidade.
Porque não experimentar ver um "filmezito" português na Grande Tela?
Existem várias razões para o fazer:
1 - Há bilhetes com fartura
2 - Pode-se sempre dizer que se vê filmes portugueses
3 - Não tem legendas
4 - Fomentar a produção nacional
5 - Volta e meia aparecem filmes bons num centro comercial perto de si
Apesar da dificuldade extrema em decidir qual a razão para o fazer, concentremo-nos na 4 e na 5.
Se a afluência às salas de cinema para ver produção nacional for consideravelmente grande haverá com certeza mais investimento o que potencia a qualidade.
Paralelamente, já não é necessário deslocarmo-nos a cinemas com ambientes suspeitos, onde todos parecem eruditos não se sabe muito bem do quê mas que não será nada daquilo que somos, pois as grandes empresas de transmissão da sétima arte, com salas nos locais mais frequentados pelo Zé Povinho, já investem na película alternativa e levam até nós filmes "diferentes". Ora isto também é resultado de uma maior procura!
Se estas palavras fazem algum sentido, avanço com a sugestão para um filme que se encontra em cartaz:
"Um Tiro no Escuro"
É um filme interessante, com um argumento bem construído, longe de ser original, mas muito bem produzido e explorado.
Apesar do elenco não ser composto só de "estrelas", a representação está muito boa. (o público masculino deve gostar especialmente do contributo do nosso país irmão: o Brasil :)) )
Claro que há sempre pontos negativos, a referir: excesso de linguagem menos própria; muitos cigarros; e muitos barbudos.
A produção nacional ainda não se consegue desligar destes aspectos menos positivos, mas se analisarmos bem o que vem de fora é a mesma coisa só que a nossa tendência é sentir um filme nacional com demasiado realismo, já que nos identificamos com ele, enquanto as produções estrangeiras são sempre ficção!

quinta-feira, janeiro 20, 2005

Urgentemente

É urgente o Amor,
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros,
e a luz impura até doer.
É urgente o amor,
É urgente permanecer.

Eugénio de Andrade

domingo, dezembro 19, 2004

Pele

Quem foi que à tua pele conferiu esse papel

de mais que a tua pele ser pele da minha pele

Copyright ©David Mourão-Ferreira

quarta-feira, dezembro 08, 2004

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Na janela mais alta de Lisboa,
és a ave chamada Todavia:
a que posta no chão não se desvia
mas que perto do rio já não voa...

Hei-de ensinar-te, devagar, (perdoa!),
a pressa com que Amor se pronuncia
e a conjugares a noite com o dia
quando o corpo do corpo se condoa...

fecha os olhos, e voa! Mas não queiras
ao inferno do céu traçar fronteiras
nem ao céu do inferno pôr limites:

voar só vale a pena enquanto for
uma forma de amar além do amor,
furor que todavia não habites...

David Mourão-Ferreira

quarta-feira, dezembro 01, 2004

Através da Chuva e da Névoa

Chovia e vi-te entrar no mar
longe de aqui há muito tempo já
ó meu amor o teu olhar
o meu olhar o teu amor
Mais tarde olhei-te e nem te conhecia
Agora aqui relembro e pergunto:
Qual é a realidade de tudo isto?
Afinal onde é que as coisas continuam
e como continuam se é que continuam?
Apenas deixarei atrás de mim tubos de comprimidos
a casa povoada o nome no registo
uma menção no livro das primeiras letras?
Chovia e vi-te entrar no mar
ó meu amor o teu olhar
o meu olhar o teu amor
Que importa que algures continues?
Tudo morreu: tu eu esse tempo esse lugar
Que posso eu fazer por tudo isso agora?
Talvez dizer apenas
chovia e vi-te entrar no mar
E aceitar a irremediável morte para tudo e todos

Ruy Belo in “Todos os Poemas I”

segunda-feira, novembro 29, 2004

Cúmplices

A noite vem às vezes tão perdida
e quase nada parece bater certo
há qualquer coisa em nos inquieta e ferida
e tudo que era fundo fica perto

nem sempre o chão da alma é seguro
nem sempre o tempo cura qualquer dor
e o sabor a fim da mar que vem do escuro
é tantas vezes o que resta do calor

se fosse a tua pela
se tu fosses o meu caminho
se nenhum de nós se sentisse nunca sozinho

trocamos as palavras mais escondidas
e só a noite arranca sem doer
seremos cúmplices o resto da vida
ou talvez só até amanhecer

fica tão fácil entregar a alma
a quem nos traga um sopro do deserto
olhar onde a distância nunca acalma
esperando o que vier de peito aberto

se fosse a tua pela
se tu fosses o meu caminho
se nenhum de nós se sentisse nunca sozinho

roubado daqui

terça-feira, novembro 23, 2004

Verde Nuclear

Polémica internacional sobre as vantagens ecológicas da energia atómica

Um novo debate cientifico volta a lançar a questão das centrais atómicas. Muitos especialistas defendem a energia nuclear como sendo a alternativa mais segura, eficaz e ecológica para satisfazer as necessidades de electricidade e evitar o aquecimento global da atmosfera.

in “Super Interessante”

THE MANCHURIAN CANDIDATE

Há duas ou três semanas, fui ver o filme a que os portugueses - com autoridade na matéria - deram o título O CANDIDATO NATURAL. Nunca percebi bem o critério destas traduções, quem decide o quê, quem acha porque sim e porque também. Frequentemente sou tentada a pensar que se muda o título por um mais atractivo, que "por estar mais próximo de nós" possa contribuir para engrossar o volume de venda de bilhetes. Outras, nem isso penso.
The leading actors - Merryl Streep e Denzel Washington - são o garante do cartaz, assim como outros actores, em papeis secundários, mas com excelentes interpretações.
O plot, dá que pensar. É controverso. Mostra-nos realidades a anos-luz da nossa realidade de cidadãos comuns. E deixa-nos receios, dúvidas e interrogações.

segunda-feira, novembro 15, 2004

A Vedação

Trata a história de uma grande caminhada. O caminho para a liberdade, percorrido com a força do espírito contra todas as adversidades.
Filme muito bem realizado, baseado numa história verídica, com pormenores que transportam o espectador para dentro do filme.
Todo o conjunto de sensações visuais são completadas, de uma forma genial, com uma banda sonora composta por Peter Gabriel.

Quantos de nós não estão a par do que se passa ou passou, em certas partes do mundo, só porque nunca ninguém “falou” sobre isso?
É o caso deste filme. O argumento retrata a realidade vivida pelo povo Aborígene na Austrália dos anos 30. Situação semelhante ao que aconteceu um pouco por todas terras onde o Branco pisou, a subjugação dos Povos Nativos, consequente destruição e perda de identidade, sempre com a desculpa de que só querem ajudar!!!

A história do filme começa com as consequências de uma lei, emitida pelo Branco, onde qualquer criança que não fosse de raça pura, chamadas Mestiças, poderiam ser retiradas de suas casas e levadas para colónias onde eram treinadas para todo o tipo de trabalhos de servidão. (aos Brancos como é óbvio!!)

Qual a justificação?
Simples: evitar a proliferação de uma terceira raça!!!
Argumento: defender os nativos contra eles próprios!!

Não mencionado mas implícito, qual o motivo que leva a que surjam crianças Mestiças?
Simples: com a chegada e domínio do Branco, realocação de tribos em reservas, o bom do Branco, entre muitas outras atrocidades, começa a saciar as suas bestiais necessidades nas mulheres Nativas.
Consequência: destruição da raça, orgulho e cultura ancestrais!
Argumento: salvá-los deles próprios!!!

Mas o que é que isto tem a ver com caminhadas? Perguntam vocês.
O filme baseia-se na fuga de três crianças Mestiças de uma das colónias, empreendendo uma caminhada de 2400 kilómetros.
Uma aventura pela liberdade para voltarem para casa.

Todas essas crianças foram chamadas de Gerações Roubadas (Stolen Generations).

Só isso? Bem pelo contrário!!
Vejam o filme!!!!

sábado, novembro 13, 2004

TROY

Para quem gosta do género será um bom filme.

Em jeito e dimensão de épico, Wolfgang tenta uma abordagem da “Ilíada” de Homero.
Historiadores cheguem-se à frente para julgar os factos, pois essa função não me compete.
É um filme bom de ver e intenso, na minha opinião melhor que outros do género, como p.e. “O Gladiador”, no qual o factor “herói americano” impregna todo o argumento! Neste as “americanisses” ficaram de fora!

Tecnicamente é um bom filme! Utiliza o melhor dos nossos dias em técnicas de efeitos especiais, criando um ambiente bastante real, o qual nos faz entrar na história e esquecer o resto.
Esquecendo falas e jeitos que certamente não seriam de épocas como aquelas, acabamos por ser envolvidos pelo espírito da coisa.

Apesar da figura de menino bonito de Brad Pitt, que o é, enquadra-se perfeitamente na figura de Aquiles.
Para as Senhoras este será um filme carregado de belas “peitaças” e homens “desnudados”; para os Machos (men) esta será uma overdose de testosterona!
Para mim é um filme historicamente interessante e tecnologicamente bem feito!
Será na sua essência uma luta entre honra, justiça e amor, contra ambição, orgulho e ódio.
Papeis representados por Tróia e Grécia, respectivamente.
Esta situação é explorada e personalizada no papel de Heitor: homem justo, que luta pela honra e amor ao seus; e Aquiles: homem carregado de orgulho e ambição desmedida, cheio de ódio pela autoridade real, fazendo prevalecer só a sua vontade com objectivo de tornar o seu nome imortal.
Ambos exímios guerreiros serão o âmago deste conflito, culminando a mensagem do filme com a crença de muitos povos em que o guerreiro que mata o outro adquire o seu espírito, será aqui que a mudança de um alterará o desfecho da história e revelará o calcanhar de Aquiles

Vale a pena ver!

sexta-feira, novembro 12, 2004

SOBRE A TERRA


Sei que estou vivo e cresço sobre a terra.
Não porque tenha mais poder,
nem mais saber, nem mais haver.
Como lábio que suplica outro lábio,
como pequena e branca chama
de silêncio,
como sopro obscuro do primeiro crepúsculo,
sei que estou vivo, vivo
sobre o teu peito, sobre os teus flancos,
e cresço para ti.




EUGÉNIO DE ANDRADE
in O Outro Nome da Terra

segunda-feira, novembro 08, 2004

Espero

Espero sempre por ti o dia inteiro,
Quando na praia sobe, de cinza e oiro,
O nevoeiro
E há em todas as coisas o agoiro
De uma fantástica vinda.


Sophia de Mello Breyner Andresen

ILHA

Deitada és uma ilha E raramente
surgem ilhas no mar tão alongadas
com tão prometedoras enseadas
um só bosque no meio florescente

promontórios a pique e de repente
na luz de duas gémeas madrugadas
o fulgor das colinas acordadas
o pasmo da planície adolescente

deitada és uma ilha Que percorro
descobrindo-lhe as zonas mais sombrias
Mas nem sabes se grito por socorro

ou se te mostro só que me inebrias
Amiga amor amante amada eu morro
da vida que me dás todos os dias


David Mourão-Ferreira
in MATURA IDADE
[1966-1972]

quarta-feira, novembro 03, 2004

Plano

Trabalho o poema sobre uma hipótese: o amor
que se despeja no copo da vida, até meio, como se
o pudéssemos beber de um trago. No fundo,
como o vinho turvo, deixa um gosto amargo na
boca. Pergunto onde está a transparência do
vidro, a pureza do líquido inicial, a energia
de quem procura esvaziar a garrafa; e a resposta
são estes cacos que nos cortam as mãos, a mesa
da alma suja de restos, palavras espalhadas
num cansaço de sentidos. Volto, então, à primeira
hipótese. O amor. Mas sem o gastar de uma vez,
esperando que o tempo encha o copo até cima,
para que o possa erguer à luz do teu corpo
e veja, através dele, o teu rosto inteiro.

Nuno Júdice

segunda-feira, novembro 01, 2004

5.

À deriva
no mar da noite
este pequeno sentimento de culpa
de amor e culpa
que traz em si insónia
e saudade do tempo.

À deriva
este pequeno assunto
à espera de cair na rede da memória
à espera de surgir
à tona da maré.

À deriva
este sorriso
que não sei de quem é
que vem flutua assoma
com raizes de líquen
bafo de alga
de alguém que nunca vi

Ou talvez visse me olhasse e me sorrisse
e já esqueci.

Rosa lobato de Faria
in Poemas Escolhidos e Dispersos

domingo, outubro 31, 2004

SOTTO VOCE

É possível que eu esqueça a liquidez da lua
o sono dessa rua às três da madrugada
a longa caminhada orquestrada pela chuva
a sombra de uma luva em cima de uma vaga

É possível que eu esqueça o dia em que nasceste
Em que depois da luva apareceram as mãos
É possível que eu esqueça Ou me seja indiferente

É possível que sim É preciso que não

David Mourão-Ferreira
in Do Tempo ao Coração [1962-1966]

quinta-feira, outubro 28, 2004

Liberdade

Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade

in Mar
Sophia de Mello Breyner Andresen

domingo, outubro 24, 2004

PAULA REGO


The Punishment Room, 1969. Mixed media on canvas, 120 x 120 cms

quinta-feira, outubro 21, 2004

Paula Rêgo - Fundação Serralves

Exposição da pintora Paula Rêgo na Fundação Serralves
de 15 de Outubro de 2004 a 23 de Janeiro de 2005

"A exposição apresentará uma selecção da obra de Paula Rego produzida a partir de 1996, incidindo particularmente na relação entre a sua pintura e o desenho, assim como na construção de situações ficcionais singulares e idiossincráticas. A artista apresentará pela primeira vez os desenhos preparatórios das suas pinturas, realizando ainda uma nova série de trabalhos, especificamente pensados para esta exposição, a partir de um tema onde surja como referência a cidade do Porto. A exposição terá início no Museu de Serralves, encontrando-se em estudo a sua itinerância por Espanha, França e Itália, sabendo-se já do interesse da Colecção Saatchi em poder ser a entidade co-produtora onde a exposição terá a sua última itinerância. "
www.serralves.pt

domingo, outubro 17, 2004

Lost In Translation – O Amor é um lugar estranho

Um filme sincero e bastante real.
Temperado qb com o humor característico de Bill Murray.
Uma visão fantástica e simultaneamente crítica da sociedade japonesa em Tóquio, serve de pano de fundo a momentos vividos pelos dois personagens principais ao enfrentarem a realidade das suas vidas num país longe do seu e perfeitamente díspar.


Para todos aqueles que estão perdidos ou desorientados.
Não hesitem!
O que estão à espera!

domingo, outubro 10, 2004

O Pêndulo de Foucault – Umberto Eco

Tendo por base a vida de três redactores editoriais, este livro gira à volta de temas herméticos.
A descoberta de uma mensagem e a leitura de diversos manuscritos sobre Templários, Rosas-Cruzes, outras sociedades secretas e temas relacionados, vai levá-los e empreender uma tarefa deveras ambiciosa: a construção de um Plano, no qual vão interceptar e relacionar diversos temas e acontecimentos remontando a séculos atrás, fazendo analogias até os dias de hoje com o objectivo de revelar uma Conspiração a nível mundial.
Tudo isto é temperado com a história de cada um dos três personagens, envolvida num contexto político e social, em particular na Itália dos anos 40, 60 e 70, e em geral do resto do mundo.

Para um leigo como eu, estas foram 555 páginas sofridas.
A escrita de Umberto Eco (quem o conhece talvez me dê uma ideia diferente) não é fácil. Ela própria bastante hermética! Claro que o facto de ser doutorado em filosofia tem uma grande influência.
Mas a edição, que agora descansa na minha estante, é que faz com que o caminho seja penoso! Umberto faz um grande trabalho de investigação, fundamentando cada capítulo (estamos a falar de120!!) com um excerto retirado de determinada obra. O problema é que são escritos em latim, francês, italiano, alemão, etc, e o tradutor da obra não os traduziu!! Isto também acontece ao longo do texto em diversas passagens e diálogos!!
Além disto não há nenhuma nota de tradutor para os termos específicos!
Não recomendo! Talvez o volte a ler daqui a uns anitos!

terça-feira, outubro 05, 2004

A ARTE DA ESCRITA

"A ditadura produziu dirigentes políticos de melhor qualidade que a democracia."Guerra, João, Diário Económico, em 20041004

"A democracia não é um sistema perfeito mas, até à data, ainda não se descobriu nada melhor."

Já não sei quem disse mas eu também digo! de Magalhães, Isabel, Blogoesfera, em 20041005.

Inocente ou Culpado?

Apesar de saber que este é um filme que depois de ser visto a primeira vez o véu se levanta e revela a verdade, adquiri uma versão em DVD que saiu com um jornal diário recentemente e voltei a vê-lo.

Este é um filme que recomendo. Sobre causas, tem como pano de fundo a questão da pena de morte.
É a história de David Gale (Kevin Spacey, brilhante mais uma vez), professor de filosofia e activista de um movimento contra a pena de morte, que é condenado à morte pelos crimes de violação e homicídio. Mas esta é só a linha principal..... o enredo é mais complexo e a teia desenvolve-se à nossa volta.

Muito bem realizado, foca temas importantes como a força que precisamos para enfrentar a adversidade da vida, o direito de morrer, e a fiabilidade do sistema judicial quando aplica a pena de morte.

São garantidos momentos intensos, que no decorrer do filme questionam as nossas convicções.
No final é deixado espaço para o espectador tirar as suas conclusões.

A não deixar de ver já que é um filme que nos faz pensar sobre temas que ultimamente estão em último plano e que não nos preocupam particularmente enquanto portugueses.

sábado, outubro 02, 2004

Paixão de Cristo

Porque não começar por um dos filmes mais polémicos da actualidade.

Vejo este filme como algo que vai muito além de questões religiosas.
É um tratado sobre a Natureza Humana!
Que por acaso tem como pano de fundo as últimas horas de alguém chamado Jesus de Nazaré.

Abana-nos e acorda-nos para a realidade do que somos e nos transformámos.
Mostra um homem que, como o comum dos mortais, sente medo e dor.
Não apresenta um determinado povo como “vilão”, bem pelo contrário foca a atenção na natureza maléfica de algumas pessoas enquanto elementos da raça humana. Alguns maquiavélicos por questões políticas, outros por puro prazer e muitos outros por pura ignorância e estupidez.

A violência de que tanta gente se queixa tem mesmo de existir! Sem ela a mensagem do filme não fazia sentido.
Pensemos um pouco: Naquelas épocas tão conturbadas se existiam torturas, castigos, punições, etc, seria, com toda a certeza, bem pior do que aquilo que o filme apresenta!
Uma coisa é certa: Não seria como os filmes anteriores sobre o tema, especialmente com um homem de olhos azuis, com o cabelo e a barba bem cuidados e roupas de designer! Essa é a realidade que queremos ver!

A atenção deve ser dirigida, não para as feridas que os golpes infligem, mas sim para a expressão de quem os leva a cabo e para os motivos que os originaram.

Sinceramente, a religião é mais um instrumento de “tortura” e controlo! Este filme serve essencialmente para mostrar aquilo que um ser humano é capaz de fazer e a maldade que existe por aí!
A polémica surge porque não queremos admitir o que fizemos ao longo dos tempos (a maior parte a história omitiu!) e aquilo que somos capazes de fazer!!
Não é preciso ler um compêndio de história, ou ver um filme sobre o tema, basta olhar para a realidade actual. O que move as pessoas actualmente... Crimes grotescos que ocorrem a cada minuto... A espiral de desgraças que assolam o mundo...

A Fé não se pode quantificar pelo número de vezes que vamos a determinada igreja, ou pelo aquilo em que acreditamos! Tem de ser algo incondicional; algo que se sente; algo que faz parte de nós em cada momento; algo que tem pouco a ver com o Homem mas sim com a natureza da sua bondade e compaixão...