sábado, outubro 02, 2004

Paixão de Cristo

Porque não começar por um dos filmes mais polémicos da actualidade.

Vejo este filme como algo que vai muito além de questões religiosas.
É um tratado sobre a Natureza Humana!
Que por acaso tem como pano de fundo as últimas horas de alguém chamado Jesus de Nazaré.

Abana-nos e acorda-nos para a realidade do que somos e nos transformámos.
Mostra um homem que, como o comum dos mortais, sente medo e dor.
Não apresenta um determinado povo como “vilão”, bem pelo contrário foca a atenção na natureza maléfica de algumas pessoas enquanto elementos da raça humana. Alguns maquiavélicos por questões políticas, outros por puro prazer e muitos outros por pura ignorância e estupidez.

A violência de que tanta gente se queixa tem mesmo de existir! Sem ela a mensagem do filme não fazia sentido.
Pensemos um pouco: Naquelas épocas tão conturbadas se existiam torturas, castigos, punições, etc, seria, com toda a certeza, bem pior do que aquilo que o filme apresenta!
Uma coisa é certa: Não seria como os filmes anteriores sobre o tema, especialmente com um homem de olhos azuis, com o cabelo e a barba bem cuidados e roupas de designer! Essa é a realidade que queremos ver!

A atenção deve ser dirigida, não para as feridas que os golpes infligem, mas sim para a expressão de quem os leva a cabo e para os motivos que os originaram.

Sinceramente, a religião é mais um instrumento de “tortura” e controlo! Este filme serve essencialmente para mostrar aquilo que um ser humano é capaz de fazer e a maldade que existe por aí!
A polémica surge porque não queremos admitir o que fizemos ao longo dos tempos (a maior parte a história omitiu!) e aquilo que somos capazes de fazer!!
Não é preciso ler um compêndio de história, ou ver um filme sobre o tema, basta olhar para a realidade actual. O que move as pessoas actualmente... Crimes grotescos que ocorrem a cada minuto... A espiral de desgraças que assolam o mundo...

A Fé não se pode quantificar pelo número de vezes que vamos a determinada igreja, ou pelo aquilo em que acreditamos! Tem de ser algo incondicional; algo que se sente; algo que faz parte de nós em cada momento; algo que tem pouco a ver com o Homem mas sim com a natureza da sua bondade e compaixão...

3 comentários:

Magda disse...

Hummm... andava com algum receio de ver o filme mas sendo assim vou mesmo ver ;)
Um bj e paraéns pelo novo blog

Gui disse...

Magda, o filme faz um pouco de impressão, mas está tudo na forma como direccionamos a nossa atenção.

Bem vinda!
Obrigado! :-)

Isabel Magalhães disse...

Ola Gui!

Não vi o filme. Recusei ver. Talvez um dia em casa... em dvd... quiça!

Entretanto, parabéns pelo blog e pelo convite que me fez para team member.

Hoje foi um dia de novas aquisições. Por
aqui "aconteceu" a "Bárbara"! :))) Pena não a poder trazer!

Bjinho.