segunda-feira, novembro 29, 2004

Cúmplices

A noite vem às vezes tão perdida
e quase nada parece bater certo
há qualquer coisa em nos inquieta e ferida
e tudo que era fundo fica perto

nem sempre o chão da alma é seguro
nem sempre o tempo cura qualquer dor
e o sabor a fim da mar que vem do escuro
é tantas vezes o que resta do calor

se fosse a tua pela
se tu fosses o meu caminho
se nenhum de nós se sentisse nunca sozinho

trocamos as palavras mais escondidas
e só a noite arranca sem doer
seremos cúmplices o resto da vida
ou talvez só até amanhecer

fica tão fácil entregar a alma
a quem nos traga um sopro do deserto
olhar onde a distância nunca acalma
esperando o que vier de peito aberto

se fosse a tua pela
se tu fosses o meu caminho
se nenhum de nós se sentisse nunca sozinho

roubado daqui

2 comentários:

Isabel Magalhães disse...

Gostei das palavras. Suponho que seja uma canção. Não consegui aceder ao site.

****

Gui disse...

As letras de Mafalda Veiga têm uma carga de emoções sem comparação!

A cumplicidade é a solução...

Bjs :)